14 setembro, 2009

Não tem como fugir de Marina

Marina Silva é realmente um fenômeno no cenário eleitoral do momento. Há tempos eu venho tentando ignorar a presença dela, mas ela é mais forte do que eu. Nesse último dia 10, quinta-feira, houve o lançamento do programa partidário do PV, o partido para o qual Marina foi transferida do PT. Logo de cara pode-se falar que o programa é mais uma apresentação de Marina do que do partido, mas isso já era de se esperar. O que meio que surpreende, meio que confirma, é o caráter do programa. Marina falou de sua vida, mostrou onde cresceu, a situação urbana, a Amazônia, mas não ficou só atrelada à questão ambiental, que é justamente o carro-chefe de sua possível campanha. Ela tomou como gancho essa questão pra falar sobre a infra-estrutura das cidades, como por exemplo o fato de que uma péssima estrutura urbana contribui pro crescimento de favelas, que são taxa 0% em termos de qualidade de vida, além de ser um grande fardo ambiental para a cidade. No programa, Marina falou com muita clareza sobre essas questões, e isso é mais do que natural pra quem já foi ministra do meio-ambiente. Chegou até a meter medo em alguns outros indivíduozinhos espalhados pelo país: Aécio Neves no sábado falou em discurso veemente sobre a questão ambiental do seu estado, e até Dilma, a mãe do PAC, recentemente prometeu lançar o PAC Ambiental (seja lá o que diabos isso for). Em suma, a questão ambiental atrelada a Marina é clichê. Vale ressaltar realmente que, em nenhum momento do programa, Marina deixou transparecer os dedos dos seus marketeiros. Não parecia que ela seguia aquelas dicas "olha pra cá, fala assim, fala assado" que todo mundo sabe que TODO político segue ao participar de uma campanha. Marina parecia ser muito ela mesma, principalmente quando falava da sua cidade. Ela dizia coisas tipo "Ah, quando eu conheci Chico Mendes... Na época que eu era criança..." Nessa núvem de mentiras, calúnias, fraudes, falcatruas, toda essa política povoada de mesmisse, chega Marina e injeta um ar fresco, um ar mais "do povo". Marina não falou em tom de vítima, nem de ressentimento, nem de raiva. Ela aproveitou muito bem o espaço que teve. Bom, eu particularmente não vou votar em Marina, eu não acho que ela tenha agregado em si todos os conhecimentos políticos, econômicos, etc, necessários para um presidente da República. Mas isso não vem ao caso nesse texto. O que vem ao caso é que Marina provou nessa quinta que vai ser um pé no saco de Lula e de Serra. E bom, eu quero logo falar sobre ela antes que venha a censura pra me impedir. Tomara que eu ainda possa falar sobre ela mais algumas vezes antes da votação.


2 comentários:

diogonmoraes disse...

Sem dúvidas,Marina será uma pedra no sapato de Lula e Serra!
Não chegará a presidência mas nos faz acreditar em uma política nova, humana e democrática, o oposto da atual, que nada mais é que politicagem.
O programa político-partidário dela foi realmente diferente dos demais, e uma largada de primeira à corrida presidencial; até a história de vida dela foi contada!
Espere ler mais sobre Marina aqui no seu blog, e sempre que puder estarei dando uma passada pra acompanhá-lo!
Parabéns pelo blog, agora que o descobri estarei sempre por aqui!

Frank Lima disse...

Marina foi esperta. Gosto dela, ela vai ser importante em 2010, apesar do PV ser do lado de lá [filho do papai no controle]. Alguns especialistas afirmam que ela não terá peso para decidir uma eleição, mas sua entrada de gaiata no navio me lembra Cristovam nas eleições passadas. Acredito que ela não será determinante, mas importante para uma maior pluralidade na hora da escolha, afinal Serra, Aécio são a mesma coisa e Dilma não tem casrisma com a população, logo se for para ficar com o novo ja nasce velho, prefiro me arriscar em Marina.